Evan de Andrade - ALVORADA FM 87,9
  

 Escrito por Evan de Andrade às 19:17:09
[] [envie esta mensagem]


 
  

 Escrito por Evan de Andrade às 17:49:47
[] [envie esta mensagem]


 
  

Parte do poema

O MAGO PARVO
de Evan de Andrade

Diga-me 
O que esta acontecendo!
Você não esta dormindo
Estudando, comendo,
Sonhando,vivendo?
Tudo enfim mudou!

Nas perguntas a mãe insiste
Em não responder
Dalila persiste.
Desvalida ao canto
Fecha os olhos em prantos

O flama apagou !

Agora, ecoa na mente
Daquela que sorridente
Meiga, pura, doce, bela
E inocente.
Se entregou.

Totalmente deslumbrada
Em sua pouca visão
Ontem, por vez fascinada

Hoje, quase nada lhe restou
Agora, ecoa na mente
O sonho acabou !
Acabou ...
Acabou ...

Resta
Apenas a dor do peito
Por aquele que julgou eleito.
Seu amor possuir.
Casado nos braços d'outra
Agora, bem longe daqui.

Sua mãe bem que falou;

Filha ele é comprometido,
Amor tão proibido
Que você não pode
sentir!
 

Trecho do poema o mago parvo
Parvo= tolo, atrapalhado, desajuizado.



 Escrito por Evan de Andrade às 20:00:04
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 09:58:30
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:45:21
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:43:23
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 17:44:02
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:54:47
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:49:00
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:47:28
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:46:31
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:45:32
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:43:53
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 19:42:02
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 17:19:42
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 17:16:51
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 17:15:24
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 17:14:28
[] [envie esta mensagem]


 
  



 Escrito por Evan de Andrade às 14:16:54
[] [envie esta mensagem]


 
  

ODE IMPERIOSA

Há poesias que podemos
Ser claro, simples.
Como uma faca amolada
E há ode imperiosa
Mister criptografar

Composições puras
Sem mistérios
De fazer criança imaginar
E outras são cogentes matutar
Discriptografar.

Se for banal, Não há mau?!
Por que ocultar?!
Mas, há segredo.
Que dá "coceira na língua"
- Bem! Deixa pra lá.
 
Então, se codifica.
Em branco não pode passar.
Pra lê em dias idos
Lembrar, Sorrir, zombar,
E se for o caso até chorar

Sorrir das alegrias
Zombar da própria ingenuidade
E chorar, bem...
Chorar...

De tudo que passou
E não se pode eternar.


Discriptografando: compreendendo
Ode imperiosa: poesia que nos mandam
Mister criptografar: codificar
Cogentes matutar: necessário pensar
Mau: perverso, maldade, crueldade - Mal: doença, enfermidade, moléstia



 Escrito por Evan de Andrade às 17:26:38
[] [envie esta mensagem]


 
  

 Escrito por Evan de Andrade às 17:24:17
[] [envie esta mensagem]


 
  

AS GAROTAS SUPER TRAIROSAS

Elas se amam...
Beijam-se e se odeiam
Elas são as garotas
Super trairosas.

Joana,
Que não mais me engana
Vivia com Maria na cama,
Pra cima, pra baixo.
Da igreja ao despacho

Entretanto, de tanto levar bananas,
Ou seja, querer nas bandas.
Joana se cansou
E da relação se emancipou

Embriagada, essa garota danada,
Levada, fez outro arremesso.
E antes que me esqueço
A nova alusão é Mariana.

Joana
De língua solta, maráfo na mente.
Falando tonteiras
Mariana de destreza Serpente.
Não se redeu as novas cantadas.

Vejam só! É um quarteto?
É um quinteto?
Das tetas? Ninguém sabe nada!
Uma nova sinfonia
Destroçando Maria.

Qual será a antepenúltima
Trairagem do dia?
Sim! porque a penúltima.
Já estão fazendo
E a última ainda vão tramar.

A pergunta vem do vigia.
Que do alto espia
E faz-se de surdo
Cego, louco e mudo.

Quando indagado
Ele recomenda;
Não meta a colher!
Não tome partido!
É amor - avessas de mulher
Pra quem fica com o suposto
"Marido".

Maráfo= cachaça
Rabiscado: Evan de Andrade



 Escrito por Evan de Andrade às 16:50:28
[] [envie esta mensagem]


 
  

SEM PAGAR O PREÇO

Meu coração oscilou,
Meus olhos pararam
De procurar Vossa Mercê
"Por la Muchedumbre"

Não foi só desejo...
Desejo de continuar
Vendo essa bela
Miragem doura cor
Desejo de beijar
Os lábios de carne pecado

Desejo do sentir
Que beira o padecer.
Mas, eu não sei explicar...
Como, Como parar?
Se me rogas
Para não retroceder.

Sonho que quero viver,
Mas, sem pagar o preço.
O preço infligido.
"Por la Muchedumbre"
Que me precederam
Sujeitar-me-ei? Responderei
NUNCA.

Tenho medo!
Medo de continuar
De continuar sonhando
Só sonhando e acordar tateando
Sonolento, tonteando...



 Escrito por Evan de Andrade às 09:30:04
[] [envie esta mensagem]


 
  

SIN PAGAR EL PRECIO

Mi corazón tembló,
Mis ojos pararan
De buscar Vuestra Merced
"Pela multidão"

No era solo deseo...
Deseo de proseguir
Mirando esa bella
Miraje dorada color
Deseo de besar
Los labios de carne pecado

Deseo de sentir
Que acerca el sufrimiento.
Pero, yo no sé explicar...
¿Dime como detenerme?
Se me invitas
A no retroceder.

Sueño que quiero vivir
Pero, sin pagar el precio
El precio sancionado.
"pela multidão"
Que llego antes que yo. 
¿Someterme? contestaré
JAMÁS.

¡Tengo miedo!
Miedo de continuar
De continuar soñando
Solo soñando y despertar palpando
Somnoliento, tambaleando

Hecho y  traducido por: Evan de Andrade



 Escrito por Evan de Andrade às 09:28:35
[] [envie esta mensagem]


 
  

 Escrito por Evan de Andrade às 19:25:46
[] [envie esta mensagem]


 
  

SUAS VÍTIMAS SOFREM
Evan de Andrade


Por favor...
Não faça mais uma vítima
É ruim e dói demais.

Atrapalha toda a nossa vida
Pois, sempre nos lembramos
Que estamos presos
A beira da estrada. Arremessados...
E não conseguimos te esquecer

Escrevi poesias
Perambulei nas ruas
Chorei na cama
Chegue a compreender
Quão frágil posso ser.

Ao céu e ao inferno
Supliquei e nada puderam fazer

Desse tenha dó.
Se agora for só para brincar
Não peça, mas,
Impeça o primeiro
Beijo.
Sua vaca a bunda.



 Escrito por Evan de Andrade às 11:19:45
[] [envie esta mensagem]


 
  

CADÁVER JUNTO D'OUTROS

Tu conheces o futuro
Sabes o que serei,
O que terei,
O que farei,
Se nessa vida PAI
Eu não tiver uma vida
Bem regala.
Avisa-me 
Consagra-me
Iludi-me
Não deixe em mim
Morrer a esperança
Aquela bosta do peito
Que mantém o brilho no olhar
Destas criaturas
Pois, como posso continuar
Suspirando,
Concomitantemente
Contemplando
Um horizonte turvo,
Tetro, sem trevo, treva e
Sem esperança?
Um cadáver
Vivo junto d'outros.

Que da comiseração
Do Diabo não espera
Ele não tem piedade
Dele e dos dele.
Avisa-me.
Se não for.
Consagra-me
Para ser.
E Ilude-me
Para não morrer
Porque sei
Que tu podes
MEU PAI



 Escrito por Evan de Andrade às 11:18:11
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 

HISTÓRICO
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 26/12/2004 a 01/01/2005
 12/12/2004 a 18/12/2004
 05/12/2004 a 11/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 24/10/2004 a 30/10/2004



OUTROS SITES
 Livia Rosa e Ariela Dion
 POESIAS E CIA
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!





O que é isto?